Sociedade do conhecimento: como o design thinking se manifesta?

Colocar as pessoas no centro das decisões. Pensar como o cliente e desenvolver inovações focadas para eles. Isso é, basicamente, as principais propostas do design thinking – uma forma diferente de trazer inovação para as empresas e a sociedade de uma maneira geral.

Se você ainda não conhece essa abordagem, continue a leitura e descubra como ela pode ajudar no seu negócio e também na sua carreira profissional!

O que é o design thinking?

Ele pode ser entendido como uma abordagem que visa solucionar problemas de maneira colaborativa e coletiva, buscando sempre a empatia máxima com todos os envolvidos, colocando, assim, as pessoas no centro de todo esse processo.

Ao contrário de outras abordagens, o design thinking não recorre à fórmulas matemáticas, mas sim, tenta mesclar e mapear a experiência cultural, os processos e a visão de mundo de cada indivíduo, conseguindo fazer com que o coletivo tenha uma visão mais completa do problema e das maneiras de solucioná-lo.

Como essa é uma abordagem “humana”, ela pode ser aplicada em praticamente qualquer negócio e também na nossa vida, por exemplo para quem deseja planejar e modificar a sua carreira.

Como ele funciona?

Depois de ler o tópico acima, você ainda tem dúvidas sobre como essa abordagem funciona na prática e, principalmente, de que modo ela pode auxiliar a sua empresa?

Saiba que tudo se baseia em 4 premissas básicas, que explicaremos logo abaixo.

Imersão

A ideia é que os envolvidos “mergulhem de cabeça” no projeto, pesquisando, levantando dados e informações e conseguindo o maior número possível de itens que ajudem a entender as necessidades do consumidor e de que maneira elas podem ser transformadas em oportunidades.

Para que essa etapa dê certo, é essencial que o time seja empático e consiga se colocar no lugar dessas pessoas, entendendo como elas vivem, o que esperam, suas maiores dificuldades – e de que modo o seu negócio pode ser um “facilitador” dentro dessa realidade.

Ideação

Agora, algumas ferramentas começam a ser colocadas em prática, principalmente buscando fomentar a criatividade, ajudando a encontrar soluções realmente inovadoras ou ainda a oferecer diferentes perspectivas sobre um mesmo problema.

É justamente por isso, que essa abordagem funciona melhor quando os times são formados por profissionais de áreas diferentes do conhecimento e também com perfis distintos, garantindo pontos de vistas completamente novos.

Prototipagem

Nesse momento, as ideias geradas serão validadas ou descartadas, analisando as que se encaixam melhor no contexto. Para isso, podem ser criados modelos de teste ou produtos beta, por exemplo, ajudando a coletar os feedbacks dos usuários e legitimar ou descartar as hipóteses.

Dependendo do resultado, esse ciclo pode ser refeito quantas vezes forem necessárias até se obter um produto ou uma inovação que realmente seja positiva e interessante do ponto de vista do usuário.

Implementação

Após todos os testes finalizados e os ajustes realizados, é hora de colocar a ideia no mercado. Quando todas as etapas são seguidas, diminui-se consideravelmente o risco de rejeição, melhorando a aceitação do produto ou serviço e também da marca.

Quando a abordagem é usada de forma adequada ela consegue ajudar a pensar e planejar inovações que serão mais bem aceitas pelo público-alvo, já que são planejadas e desenvolvidas considerando-se as necessidades dessas pessoas, aumentando o engajamento.

De que modo aplicá-lo no meu negócio ou na minha carreira?

Além de desenvolver novos produtos e serviços, o design thinking pode ser aplicado em muitas áreas, já que a inovação empresarial não está relacionada apenas a lançamentos no mercado, mas também a formas diferentes de processos internos, que sejam mais econômicos, inovadores ou diferenciados.

Assim, é possível usar essa abordagem para:

  • vendas: os times de vendas podem usar essa abordagem para conseguir se colocar no lugar do cliente, entendendo suas necessidades e desenvolvendo formas mais interessantes de persuasão;
  • análise preditiva:  buscar padrões no passado que possam ser implementados com sucesso no futuro é algo muito comum em várias empresas. O design thinking pode ser usado para auxiliar os gestores a encontrarem soluções inovadoras que não se baseiam apenas em ações já realizadas pela empresa, mas sim que foquem nas expectativas atuais dos seus consumidores.

E, claro, nada impede que você utilize essa metodologia para, por exemplo, modificar a sua carreira. Usando as mesmas etapas que descrevemos acima você poderá focar seus esforços em entender quem você é e o que pode oferecer ao mercado como diferencial, prototipando e testando diferentes abordagens.

No setor público ou no terceiro setor, o mesmo esquema pode ser usado para lançar campanhas de arrecadação, novos projetos ou até modificar a forma como os serviços são prestados à população. Existem escolas especializadas na área, como a Echos, que podem te ajudar nessa questão.

Gostou de saber mais sobre o design thinking? Aproveite e participe dessa discussão, deixando o seu comentário!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *